GT Trindade-Juatinga - Contexto

GT Trindade-Juatinga - área-foco do projeto
    Click aqui para ver esta imagem ampliada .


Os ecossistemas costeiros são altamente diversificados, ricos em recursos naturais e de grande importância ecológica, econômica e social. Apesar da grande importância da aplicação de técnicas apropriadas para manejo dos ecossistemas costeiros, o Brasil ainda dispõe de pouca experiência no ordenamento do uso desse espaço e de seus recursos naturais. A falta de planejamento agrava o quadro de degradação ambiental atingido por conta do uso desordenado desses ecossistemas.

A região foco deste estudo será a área compreendida entre a Ponta da Trindade e a Ponta da Juatinga, município de Paraty. Esta região está inserida na Baía da Ilha Grande, localizada no extremo sudoeste do Estado do Rio de Janeiro (22°50´/23°20´S e 44°00´/44°45´W).

A diversidade de ambientes da região, incluindo ecossistemas de florestas, rios, mangues, estuários e costões, com fronteiras e efeitos de borda nítidos, sugere uma complexa conexão entre os mesmos, caracterizando uma alta diversidade de espécies. Tal conexão é vital em termos de ciclagem de nutrientes, ciclo de vida das espécies e funcionamento dos diversos sistemas naturais, tornando o manejo e conservação dos recursos locais um desafio.

A Baía de Ilha Grande é considerada área prioritária para a conservação da biodiversidade das zonas costeiras e marinhas, possui área de 2.134 km², que abriga uma grande beleza paisagística e uma rica fauna e flora, que se situa entre as duas maiores metrópoles da América do Sul, as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. O uso conflitivo dos recursos naturais, vem acarretando uma progressiva degradação de grande parte de suas potencialidades de geração de riquezas e emprego.

A dinâmica econômica e as formas de uso do solo da região da Baía da Ilha Grande sofreram alterações significativas a partir do final da década de 1970, com a construção da rodovia Rio-Santos, para servir como alternativa à Presidente Dutra e com o propósito, secundário, de estimular o turismo nessas regiões. A abertura dos acessos a essa parte do litoral brasileiro ocasionou transformações em ritmo acelerado, sem planejamento adequado, caracterizadas pela urbanização da paisagem e a implantação de atividades turísticas, a especulação imobiliária e o deslocamento de populações.

O equilíbrio entre o turismo e os aspectos ambientais e culturais das áreas onde este ocorre é crítico. Se o meio ambiente e as culturas locais são impactadas, ou se o fluxo turístico é incipiente ou inadequado, perde-se um importante fator de motivação para a proteção e conservação dos patrimônios ambiental e cultural.

A atividade turística constitui uma das principais fontes de desenvolvimento regional sustentável, com efeitos positivos sobre a geração de emprego, renda e qualidade de vida. No entanto o desenvolvimento sustentável requer ações para reduzir as pressões destrutivas sobre o ambiente, sobre a integridade cultural e qualidade de vida da população local.

O ordenamento do uso dos recursos culturais, naturais e cênicos, dentro dos princípios da sustentabilidade, deve buscar diretrizes que permitam uma relação equilibrada e harmoniosa entre Turismo x Meio Ambiente x Comunidades.

A proposta de ações direcionadas para o desenvolvimento do turismo sustentável necessita apoiar-se em estudos que avaliem seus impactos positivos e negativos, dimensionando, de forma sistêmica, as variáveis econômicas, sociocultural e ambiental. Para ser consolidar como atividade sustentável, o planejamento do turismo na região deve ser integrado com o desenvolvimento local, envolvendo a participação ativa das comunidades locais, a fim de alcanças seus objetivos sustentáveis e princípios pressupostos.

Para a elaboração deste estudo será adotada a abordagem metodológica de micro-bacia hidrográfica como unidade de análise, considerando a dinâmica da mesma, nos âmbitos físico, biótico e socioeconômico e suas relações.

Pretende-se desta forma desenvolver ferramentas e procedimentos de gestão, centrados na qualidade (saúde) ecológica, através da compreensão e análise do funcionamento e dinâmica da bacia hidrográfica e a relação entre o uso e cobertura do solo e ecossistemas costeiros, através da proposição de índices e indicadores de sustentabilidade apoiado no uso de geotecnologias.

__________________________________________________
Links
- GT Trindade-Juatinga - Projeto
- GT Trindade-Juatinga - Oficina 18 jan 2011
- GT TJ CCT - Capacidade de Carga Turística
- GT TJ CCT - Histórico / Considerações
- GT TJ CCT - Métodos de Determinação